24, 25 e 26 de julho 0 inscritos Emitir Certificado

Notícias

Professor é chave para uma escola de alto desempenho 23/06/2019

Professor é chave para uma escola de alto desempenho

Ter um propósito claro é o ponto de partida para construir uma escola de alto desempenho e saber que o professor é peça chave nesse processo é fundamental, alerta o professor especialista em Design Maker (Harvard) e CEO da AOG Consultoria Educacional Artesanal, André Guadalupe. Ele estará no XV Congresso do Ensino Privado Gaúcho, em Porto Alegre, no dia 25 de julho, com a palestra "Escola de Alto Desempenho - do propósito à gestão de resultados", que trata dos pilares necessários às instituições de ensino para alcançar bons resultados, entre eles um time motivado alinhado com seus valores, uma gestão eficiente de indicadores e uma cultura organizacional saudável e focada em inovação.

"O primeiro ponto de uma escola de alto desempenho é ter muito claro seu sonho, seu propósito", afirma Guadalupe. Muito mais do que missão - aquilo que você faz e como você faz - e a visão - aonde você quer chegar -, ele alega que o propósito é a escola saber por que quer fazer. "Ela tem que ter um significado muito claro para poder fazer a construção e a engenharia e de uma cultura organizacional de alto desempenho. E esse sonho tem que ser muito compartilhado, muito vivido por todos os membros da escola. Não só os professores, mas toda administração, toda a parte pedagógica, todo o (pessoal do) apoio, serviço administrativo e operacional, que dá suporte no dia a dia da escola"

Com isso, Guadalupe deixa claro que dentro de uma escola de alto desempenho todas as pessoas são absolutamente importantes: do mantenedor, diretor-geral até os cargos mais simples, como os responsáveis pela limpeza, manutenção e portaria. O professor, no entanto, é a peça chave. Por quê? "Cabe a ele o contato direto com aluno, da educação infantil até o ensino médio. É ele que vai gerar curiosidade, motivação, instigar, provocar, para levar esse aluno a um nível mais alto do que uma escola tradicional levaria", justifica. Para o consultor, o papel do professor é primordial tanto no processo de construção da autoestima do aluno quanto na rubrica da construção das habilidades socioemocionais. 

E o que mantém um professor motivado? Na opinião de Guadalupe, são três grandes eixos: o primeiro deles, o alinhamento dos seus valores com a proposta e os propósitos da escola; o segundo, uma percepção de excelência do professor, de ele conseguir fazer seu trabalho com alta qualidade, sempre conseguindo os melhores resultados; e, por último, ter autonomia para trabalhar essa excelência, "controlar um pouco a dinâmica que ele vai desenvolver; ele poder criar, desenvolver novas estratégias e poder, inclusive, errar. "Então: autonomia, excelência e propósito são os três grandes pilares que vão fazer com que o professor fique motivado e queira trabalhar." 

Outro ponto muito importante: a escola tem que desenvolver uma cultura de inovação. E isso não significa algo simplesmente tecnológico, mas fazer diferente e fazer melhor as atividades, os processos do dia a dia da escola. "O professor tem que ter espaço para inovar. Se a escola tem um propósito claro de ser inovadora, fazer sempre melhor, passar a barreira da paixão em termos de desenvolvimento de novas práticas - isto é inovação -, ela tem que permitir esse ambiente para o professor; e, sim, o professor tem não só o direito, mas a obrigação de pensar sempre fora da caixa e inovar no seu processo." Ele explica que isso passa por processos de sala de aula, por processo de engajamento do aluno dentro do conteúdo, por metodologias ativas e por diferentes formas de avaliação. "O professor é uma peça chave no processo de inovação da escola, mas, para isso, ele tem que ter um ambiente que o apoie, que fomente as características pessoais de sempre querer fazer diferente, fazer mais."

Quatro pilares

Guadalupe resume em quatro grandes pilares o processo de uma escola de alto desempenho: 1) ter o sonho e um propósito muito alinhados; 2) ter um time de pessoas motivadas, com estruturas de feedback, job description claro e vários aspectos que façam com que esse time performe de forma excelente; 3) ter uma cultura de gestão de indicadores - metas e indicadores que meçam dia a dia da escola - que apontam se ela está no caminho, seguindo o seu propósito, visão e cultura organizacional; e 4) ter uma cultura de inovação. "Isso é cíclico e está absolutamente integrado. A integração desses quatro pilares faz com que a escola tenha um alto desempenho." E, acima de tudo, ele destaca que o foco da instituição deve ser sempre 100% o aluno. "Na escola de alto desempenho, todo o processo de decisão é baseado na construção de um plano de sonho, de carreira, um projeto de vida para o aluno. Um plano de vida com muito aprendizado, com muita cultura, com muita autoestima e com muita autoconhecimento. Acredito que a educação básica faz um grande papel, que é deixar esse aluno preparado para a graduação e para a sua vida adulta."